segunda-feira, 17 de julho de 2017

BC RAIOS-X Nº 36_Estas saudades.

A música do vídeo numa versão moderna, é parte de minhas saudades de um tempo onde o som era de um rádio ABC canarinho que sintonizava péssimo, mas dava para ouvir as musicas e a novela Direito de Nascer e Jerônimo, o Herói do Sertão. Neste clima eu os convido para participar da BC_Raio X idealizada pela Silvana e Alê (que se encontra em pausa nesta) e que agora estou como parceiro e hoje é minha vez de criar propostas.



Hoje vamos falar de saudades, pois com o tempo a gente acumula saudades nos vários ciclos na vida e muitas lembranças tornam-se saudades, ora alegres ora tristes, mas foi tudo que vivemos. Vamos mexer com alguns sintomas destas saudades:
Caso faça uma postagem favor deixar o link no ilink e também deixar no blog da amiga e parceira Silvana Aqui

Propostas:

1-    Saudades de um brinquedo:
2-    Saudades de um local:
3-    Saudades de uma fase da vida:

Respostas:

       1-    Saudades de um brinquedo eu tenho dos meus carrinhos feitos com pedaços de tabuas dos antigos caixotes das maças no tempo que eram enroladas em papel roxo as vermelhas e as ditas brancas em papel branco. As rodinhas eram feitas de do pau da vassoura serrado em roletes ou às vezes as tampinhas de refrigerantes como Crush, Grapete, Mate Couro e Guaraná, (deu saudade né?) Às vezes pintava com resto de alguma tinta. E também os carrinhos feitos com rolamentos gastos conseguidos pelos pais que trabalhavam na Vale do Rio Doce.



       




      2- Saudades de um local: Tenho em mim uma viva lembrança da casa de minha avó paterna, pois com a outra não cheguei a conviver. A casa numa roça perto da cidade onde passava férias escolares numa perfeita convivência com a natureza e com toda simplicidade do local e lá eu gostava especialmente da gruta, onde nascia a água que servia a casa.   Então eu gostava de acompanhar o trajeto da água para chegar à casa e era minha tarefa diária limpar o trecho uma espécie de rego, que levava a agua até uma bica, que derramava continuamente sobre gamela grande colocada junto da porta cozinha, que dava para os fundos da casinha branca, era um tempo de fartura de água e eu menino nem me preocupava com aquela agua jorrando para a gamela e depois seguia em direção à horta que minha vó cultivava logo abaixo e depois seguir para o córrego que passava após o terreno e de lá para o rio e depois para o mar do Espirito Santos.

        3-    Saudades de uma fase eu vou dar ênfase à fase universitária junto á PUC mineira, pois representou uma mudança, que me arrancou do seio familiar e da minha cidade, para uma convivência compartilhada com outros amigos num barracão de dois quartos nos fundos de uma residência em Belo Horizonte. Um barracão destes de uma queda de água, com apenas uma porta de duas partes e com três janelas que davam para o terreiro frontal, era de cor azul claro. No terreiro um pequeno jardim onde cultivávamos a flor “amor roxo” e uma velha roseira encontrada por lá. Tinha também um canteiro onde plantávamos salsinha, cebolinha e couve. Era uma partilha perfeita até nas dificuldades e éramos muito felizes, pois tínhamos mesmos objetivos e superar cada dia era nosso desafio. São eles meus melhores amigos até hoje.


E você o que me diz das suas?


Toninho
18/07/2017


*********************
Que a semana seja plena de felicidades
 e saudades alegres.





8 comentários:

  1. Toninho,que bel proposta e já na música e lembranças do radinho velho...Os programas citados, quem não lembra?

    Depois ver tuas doces saudades, dos brinquedos construídos por ti, do lugar que tanto te fez bem e ainda do casarão dividido com amigos, todos unidos pelo propósito de de dar em na vida( mas era no bom sentido, pois agora é outro...Políticos só querem se dar bem à custas do povo... E que bom todos amigos até hoje!

    Linda participação!Adorei! abração praiano,chica

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, amigo Toninho!
    Fiz minha postagem na madrugada com o coração leve e feliz e só poderia me lembrar de coisas da infância, sendo assim...
    Adorava grapette, rs... até hoje e gosto muito de guaraná até hoje...
    Sua postagem me fez lembrar do meu pai e do meu padrinho que foram carvoeiros, dormiram em forno de padaria e tudo pra tentarem sua independência e desapego da família... Venceram!
    Meus netinhos gostam ainda de brincar com carrinhos de plásticos com terra carregando, rs... mesmo estando em plena era dos eletrônicos e digitais e os têm... o avô paterno tem sítio e viveram nestes 10 anos aproveitando as delícias de lá... pela idade, o casal de avós estão em Vila Velha mas vão por lá de tempos em tempos...
    Foi uma postagem que adorei ler na madrugada onde meu coração estava leve e feliz com o espírito como criança sem nenhum sentimento ruim nele.
    Doçura recebi do seu post e com a mesma fiz a meu.
    Deus te abençoe, amigo!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  3. Toninho:
    Ler sua postagem, me fez viajar no túnel do tempo, com o coração em êxtase.
    Foi uma belíssima ideia para aquecer a alma, nessa terça-feira fria.
    Pelo visto, somos todos de uma época dos pés descalços pela grama, mão na terra, sem frescuras.
    E como tudo isso era divertido, né.
    Hoje assisti uma cena estarrecedora: 2 garotos, um devia ter mais ou menos 4 anos e o outro, uns 8.
    Estavam com o "tio" que os levou para andar de bicicleta.
    Acontece que o tal "tio" estava mais interessado em acessar o celular do que dar atenção aos meninos, e aí você pode imaginar o resultado, né.
    Bjokas.:
    Sil

    ResponderExcluir
  4. Olá Toninho,
    Gostei muito das suas lembranças, eu fiquei mais com a minha pré adolescência e adolescência e a época em que eu acampava em família, ô coisa boa! O contato com a natureza, os amigos de todos os verões. ...Era muito bom. Hoje, a garotada só queria saber de computador e jogos eletrônicos, quase não se tem mais contato com a natureza e os amigos só os dados escola, curso. Enfim, uma época boa em que aprendi que todos somos iguais não importando as diferenças, sejam elas quais forem.
    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  5. Ah! Toninho essas saudades que insistem em ficar gravadas na memória, como já diz Rubem Alves é a alma dizendo pra onde ela quer voltar, á infância, ao tempo da paz e do sonho. Lindas as tuas lembranças

    ResponderExcluir
  6. Boa noite Toninho!
    Uma postagem rica em detalhes, escrita lindamente. Viajei em suas lembranças. Esses momentos são marcantes. Lindas suas saudades.
    A gente quando criança luta para escapar da infância o mais cedo possível, e assim que consegue quer voltar correndo pra ela. As vezes dá uma saudade de molhar os olhos. Tempo de lembranças boas que não volta mais... Só o que volta é mesmo a saudades.
    O mar do Espirito Santo é inesquecível. Os mineiros ama nossas praias.
    Adorei te ler um pouco mais.
    Beijos e continuação de boa semana.
    Escrevinhados da Vida

    ResponderExcluir
  7. Toninho, vendo as suas boas, saudáveis e edificantes saudades! Tempo que foi bem investido e curtido!...
    Muita paz e um sincero abraço..

    ResponderExcluir
  8. Li tuas saudades, fiquei com o coração apertado, voltei no tempo, saudade da minha infância na zona rural, especialmente do meu pai adotivo, dos brinquedos que eu também arrumava, minhas bonecas eram de osso, os cabelos eu tirava da espiga de milho verde, saudades da minha faze produtiva nas minhas noites de plantão nos hospitais do Rio de Janeiro. Adorei o vídeo!!
    Linda, linda sua participação. Amanhã vai ter BC?

    Noite de Paz querido amigo!
    Bjs no core!

    ResponderExcluir


Grato pela leitura e comentário isto me incentiva.
Alguma dificuldade aqui favor deixar comentários.
Meu outro blog http://mineirinho-passaredo.blogspot.com.br/

Toninho.